MUSEUS DE CALDAS DA RAINHA

CASA MUSEU DE S. RAFAEL

R. Rafael Bordalo Pinheiro - 2500 Caldas da Rainha
( Fáb. 262 839 380 / Escrit. 262 842 353
Horário: segunda a sexta-feira das 10h às 12h e das 14h30 às 16h30 - Encerra aos fins-de-semana e feriados

MUSEU ATELIER ANTÓNIO DUARTE

R. Dr. Elídio Amado - 2500 Caldas da Rainha
( Fáb. 262 839 380 / Escrit. 262 842 353
Horário: segunda a sexta-feira das 09h às 13h e das 14h às 18h - Encerra às terças-feiras

O Centro de Artes das Caldas da Rainha, oferece a artistas e estudantes condições ideais para aprofundarem e desenvolverem o seu trabalho.
Este Centro concentra diversas infra-estruturas que têm vindo a ser criadas há cerca de uma década.
O Atelier Museu António Duarte abriu as suas portas em 1985 para recolher as suas obras doadas à sua cidade.
Mais de mil espécies, entre esculturas em materiais definitivos, estudos em gesso e pormenores em bronze ou pedra, de alguns dos monumentos mais representativos da sua obra de estatuário, desenhos e meda-lhas, assim como valioso núcleo de arte antiga de grande número de livros sobre as artes plásticas e lite-ratura, doados pelo artista, constituem o património deste Atelier-Museu.

MUSEU ATELIER JOÃO FRAGOSO

Av. Columbano Bordalo Pinheiro
2500 Caldas da Rainha - ( 262 840 540
Horário: segunda a sexta-feira das 09h às 13h e das 14h às 18h - Encerra às terças-feiras
Em Setembro de 1994 foi inaugurado o Atelier Museu João Fragoso. Neste museu estão representados as diferentes fases da sua obra figurativa, mar e minimalista, para além de aguarelas, cerâmicas e medalhística.
Este centro irá também contar com as obras dos escultores Barata Feyo e Leopoldo de Almeida em espaço próprio.
A completar estas estruturas foi construído um edifício de oito ateliers e duas residências.
Duas grandes actividades têm marcado este Centro e as Artes das Caldas da Rainha - As Bienais e os Simpósios Internacionais de Escultura em Pedra.
É de salientar ainda a existência de uma Galeria Municipal que tem recebido artistas de diversas áreas de artes plásticas.
O Centro de Artes das Caldas da Rainha está aberto a todas as artes e a todos os artistas nacionais e internacionais.

MUSEU DE CERÂMICA

Palacete Visconde de Sacavém
2500 Caldas da Rainha - ( 262 840 280
Horário: terça a domingo das 10h às 12h30 e das 14h às 17h - Encerra às segundas-feiras e nos feriados (1 de Janeiro, Páscoa, 1 de Maio e Natal)

O Museu de Cerâmica, criado oficialmente em 1983, corresponde a um desejo antigo da população das Caldas da Rainha, centro cerâmico de reconhecida tradição.
 Instalado na Quinta Visconde de Sacavém, adquirida para o efeito em 1981, o Museu de Cerâmica situa-se na zona histórica da cidade, junto ao Parque D. Carlos I e próximo da actual Fábrica Bordalo Pinheiro.
Integram as colecções do Museu, expostas nos três andares do Palacete, diversos núcleos de cerâmica representativos de vários centros cerâmicos portugueses.
Integram ainda as colecções deste Museu um núcleo de faianças da Fábrica do Rato, exemplares de olaria tradicional, produção local de escultura e miniatura dos séculos XIX e XX, um núcleo de cerâmica contemporânea e uma vasta colecção de azulejaria de produção portuguesa, holandesa e hispano-mourisca dos séculos XVI e XX.

MUSEU DE JOSÉ MALHOA

Parque D. Carlos I - 2500 Caldas da Rainha
( 262 831 984
Horário: terça a domingo das 10h às 12h30 e das 14h às 17h - Encerra às segundas-feiras e nos feriados (1 de Janeiro, Páscoa, 1 de Maio e Natal)
Situado no Parque D. Carlos I, o Museu de José Malhoa foi inaugurado em 1934 na “Casa dos Barcos” e instalado em edifício construído em 1940, posteriormente ampliado em 1950 e em 1956. Projectado pelos arquitectos Paulino Montês e Eugénio Correia foi o primeiro museu que se erigiu de raiz em Portugal, constituindo-se como documento da concepção museológica deste período e da arquitectura modernista nacional.
O Museu de José Malhoa foi fundado por António Montês (1896-1967), tendo-se constituído o acervo essencialmente por doações de particulares. Reúne colecções de arte portuguesa centradas no naturalismo, academismo e tardo-naturalismo.
Na pintura, destaca-se importante conjunto da obra de José Malhoa (1855-1933) e de pintores dos séculos XIX e XX, onde domina o gosto pela paisagem, os costumes e o retrato.
Na cultura, ganha relevo a estatuária oficial do séc. XX, com especial incidência nas obras de Francisco Franco (1885-1955) e de Leopoldo de Almeida (1898-1975).
A cerâmica, com fortes tradições nas Caldas da Rainha, tem uma secção da produção local, organizada em torno da figura de Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905).
Ao ar livre, um núcleo significativo de escultura distribui-se na envolvência do Parque e pontua o discurso estético delineado no percurso do Museu de José Malhoa.
Dispõe ainda de uma Biblioteca de Arte de consulta pública e de Serviços de Extensão Cultural.

MUSEU DO HOSPITAL E DAS CALDAS

R. Rodrigo Berquó - 2500 Caldas da Rainha
( 262 830 300
Horário: segunda e sexta-feira das 10h às 12h e das 14h às 17h - Encerra aos fins-de-semana e feriados

Imóvel construído, provavelmente, em finais do séc. XVIII para servir de acolhimento à família real, durante a sua deslocação a estas termas, substituindo o antigo Paço Real do tempo da Rainha D.ª Leonor. No séc. XIX foi apropriado para residência dos administradores do Hospital, função que deixaria de ter no final do século, quando se procedeu à edificação de uma nova casa destinada à administração, devolvendo-se-lhe a sua função original, mantida até ao fim da monarquia. Depois de receber várias funções, como o Tribunal da Comarca e o Registo Civil, um estabelecimento de ensino e sede de colectividades, foi devolvido ao Centro Hospitalar que o recuperou para a cons-tituição do Museu do Hospital e das Caldas.


voltar